20 Coisas para Lembrar se você ama uma pessoa com TDAH

Por Revista Prosa Verso e Arte

 

É fato: é difícil amar uma pessoa com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade). Você nunca sabe o que dizer. É como caminhar por um campo minado. Você anda na ponta dos pés, sem saber qual passo (ou palavra) pode causar uma explosão emocional.

 

A partir de explosões emocionais para extremos opostos, pessoas com TDAH têm vários comportamentos que podem danificar um relacionamento. TDAH é um distúrbio misterioso de opostos e extremidades. Por exemplo, quando se trata de concentração, as pessoas com TDAH não conseguem se concentrar quando estão emotivas ou quando a sua mente está distraída. No entanto, quando elas estão interessadas em um assunto específico, são abstraídas de tal forma que é difícil tirá-las de lá. Iniciar um projeto é um desafio, mas parar um projeto é um desafio ainda maior.

 

O verdadeiro amor é incondicional, mas o TDAH apresenta situações que testam os limites de seu amor. Independente se é o seu filho(a), namorado(a), esposo(a) ou noivo(a), o TDAH testa qualquer relacionamento. A melhor maneira de você alcançar a paz na vida de ambos é aprender uma nova maneira de pensar para lidar com a montanha-russa emocional que o TDAH traz durante todo o dia, todos os dias.

 

Entender o que uma pessoa com TDAH sente vai ajudá-lo a ser uma pessoa mais paciente, tolerante, compassiva e amorosa. Seu relacionamento será mais agradável e pacífico. Isto é o que acontece na mente de uma pessoa com TDAH.

20 Coisas para Lembrar se você ama uma pessoa com TDAH:

 

1 – Eles tem uma mente ativa

O cérebro TDAH não para. Não tem interruptor. Não tem descansos que fazem parar. Este é um fardo que tem de aprender a lidar.

 

2 – Eles escutam, mas não assimilam o que é dito

Uma pessoa com TDAH olha para você, ouve suas palavras, vê seus lábios se movendo, mas após as primeiras cinco palavras a sua mente está viajando. Eles ainda podem escutar você falando, mas seus pensamentos estão no espaço sideral. Eles estão pensando em como seus lábios se movem ou como o seu cabelo está despenteado.

 

3 – Eles têm dificuldade em permanecer na tarefa

Em vez de manter o foco no que está na frente deles, pessoas com TDAH olham para a cor da tinta na parede, por exemplo. Como caminhar por um labirinto, eles começam a se mover em uma direção – mas ficam mudando de direção para encontrar a saída.

 

4 – Eles facilmente sofrem de ansiedade

Como pensadores profundos, as pessoas com TDAH são sensíveis ao que acontece ao seu redor. Estar em um restaurante barulhento pode parecer estar na primeira fileira de um show do Metallica. A menção de uma notícia deprimente pode colocá-lo em um modo de “fim-de-mundo”.

 

5 – Eles não conseguem se concentrar quando estão emotivos

Se há algo preocupante acontecendo, ou se está chateada, uma pessoa com TDAH não consegue pensar em outra coisa. Isso faz com que a concentração no trabalho ou uma conversa em situações sociais sejam quase impossíveis.

 

6 – Eles se concentram muito intensamente

Quando as portas de sua mente abrem, a pessoa com TDAH mergulha como um mergulhador em um oceano profundo.

 

7 – Eles têm dificuldade em parar uma tarefa quando estão abstraídos

E sob o oceano profundo é onde permanecem por horas. Mesmo quando estão ficando sem oxigênio, se estão apreciando a vista, não sobem para a superfície até que estejam quase sem ar.

 

8 – Eles não são capazes de regular suas emoções

Para uma pessoa com TDAH, suas emoções voam ao acaso, fora de proporção e não podem ser contidas. O emaranhado de fios de seu cérebro brilhante faz com que seja difícil processar pensamentos e sentimentos. Eles precisam de mais tempo para ter os seus sistemas ativos e funcionando corretamente.

 

9 – Eles têm explosões verbais

Suas emoções intensas são difíceis de regular. Uma vez que eles impulsivamente dizem o que pensam, muitas vezes dizem coisas que mais tarde se arrependem. É quase impossível para eles verificar suas palavras antes de pronunciá-las.

 

10 – Eles sofrem de ansiedade social

Sentem-se desconfortáveis sabendo que são diferentes. Pessoas com TDAH estão normalmente sentindo-se assim em situações sociais. Elas estão com medo de dizer algo estúpido ou reagir de forma inadequada. O silêncio é mais seguro.

 

11 – Eles são profundamente intuitivos

Para as pessoas com TDAH, a superfície é uma camada exterior invisível que elas penetram. Elas podem ver além. Este é o aspecto mais agradável do TDAH. Este recurso de inspiração é o que os torna gênios criativos. Os inventores, artistas, músicos e escritores prosperam nesta área.

 

12 – Eles pensam de uma forma original

Outro aspecto maravilhoso de TDAH é que, porque pensam de forma diferente, suas mentes abstratas veem soluções para os problemas que um pensador normal não pode ver.

 

13 – Eles são impacientes e inquietos

Irritado facilmente, eles querem que as coisas aconteçam imediatamente. Constantemente em movimento, brincando com o telefone, enrolando o cabelo, ou sacudindo a perna para cima e para baixo; uma pessoa com TDAH exige essa ação. Para ela, é uma atividade relaxante e zen.

 

14 – Eles são fisicamente sensíveis

A caneta pode pesar na mão. Fibras no tecido que a maioria das pessoas não percebe pode ser coceira. A cama está cheia de buracos. A comida tem texturas que não podemos imaginar. Como no conto “A Princesa e a Ervilha”, você pode perceber uma ervilha sob vinte colchões.

 

15 – Eles são desorganizados

Seu método favorito de organização são pilhas. Após a conclusão de uma tarefa, os documentos relacionados a ela são colocados numa pilha, onde permanecem até que esteja muito grande. Isso é quando a pessoa com TDAH torna-se oprimida, frustrada, e faz a limpeza. Pessoas com TDAH têm de ter cuidado para não acumular lixo. Para uma pessoa com TDAH é difícil manter as coisas em ordem porque seu cérebro não funciona de forma ordenada.

 

16 – Eles precisam de espaço para caminhar

Ao falar ao telefone ou em uma conversa, as pessoas com TDAH são melhores quando se movem. Movimento é calmante e traz clareza para as suas ideias.

 

17 – Eles evitam tarefas

Tomar decisões ou completar tarefas no tempo correto é uma luta. Não porque eles são preguiçosos ou irresponsáveis, mas porque suas mentes estão cheias de opções e possibilidades. Escolher um pode ser complicado. É fácil evitar tomar decisões, porque eles pensam demais. A obsessão deles habita nas profundezas de sua própria mente.

 

18 – Eles não conseguem se lembrar de tarefas simples

Outra característica paradoxal do TDAH é a memória. Pessoas com TDAH não se lembram de pegar suas roupas na lavanderia, comprar leite no supermercado ou de algum compromisso. Por outro lado, eles se lembram de cada comentário, citação ou telefone que escutou durante o dia. Não importa quantos Post-it ou lembretes no calendário eles colocam, sua mente distraída está sempre em outro lugar. Itens visíveis são mais fáceis de lembrar e é por isso que eles têm quinze janelas abertas no seu computador.

 

19 – Eles fazem muitas coisas ao mesmo tempo

Devido à constante atividade no interior da sua mente, uma vez finalizada uma tarefa, eles estão prontos para ir para a próxima sem finalizar a anterior. Quanto mais coisas acontecendo ao mesmo tempo, melhor. Multitarefa é uma de suas atividades favoritas.

20 – Eles são apaixonados pelo que fazem

As emoções, pensamentos, palavras e sensações de uma pessoa com TDAH são poderosos. Tudo é ampliado. Isto é uma bênção quando canalizada corretamente. Quando uma pessoa com TDAH faz algo, ela faz isso com todo o seu coração. Elas dão tudo o que têm. São pessoas intensas, perceptivas e profundas. Estas qualidades é o que fazem uma pessoa com TDAH tão amável.

 

Basicamente, uma pessoa com TDAH tem problemas para controlar seus impulsos. Ela também tem muitas grandes qualidades, que você pode desfrutar quando entender como elas pensam e sentem. Compaixão, empatia e paciência lhe permitirá superar os momentos mais difíceis. É importante ter um cuidado especial com você. Tenha tempo a sós regularmente, faça o que gosta, procure um grupo de apoio, um terapeuta ou um amigo sábio, tire férias frequentes, faça meditação, encontre hobbies e sua própria paixão. Acima de tudo, aprenda a respirar.

 

Alguns dos maiores inventores, artistas, músicos, empresários e escritores tinham TDAH. Eles conseguiram porque tinham um ente querido como você para apoiá-los em suas dificuldades diárias. Mude sua raiva por compaixão. Perceba como eles se esforçam para fazer o que é fácil para você. É como se o cérebro de um TDAH estivesse com a fiação elétrica nos circuitos errados. A próxima vez que você pensar que eles são preguiçosos, irresponsáveis, desorganizados e evitam responsabilidades, tente se lembrar do quanto custa para eles executar uma tarefa simples.

 

Sim, é difícil amar uma pessoa com TDAH, mas quando você entender a carga que eles estão levando, o seu coração se abrirá. Amor e compaixão substituirão a raiva. Você verá dentro de sua alma doce e boa.

Conheça os segredos para uma vida saudável! Clique aqui.

*Texto original de June Silny publicado no site Lifehack.  Tradução Hamilton Bonat Júnior (Fonte: TDAH Curitiba)

As oito idades da vida, segundo o psicanalista Erik Erikson. Qual é a sua?

A teoria de Erikson

A teoria de Erikson foi criada pelo psiquiatra alemão Erik Homburger Erikson no séc. XX. Nessa teoria é valorizado o papel do meio social na formação da personalidade do indivíduo, a energia que orienta o desenvolvimento é psicossocial.

Segundo Erikson, existem oito estágios psicossociais ou oito idades em que ocorre o desenvolvimento. Cada estágio ou idade atravessa uma crise entre uma vertente positiva e uma negativa. Um estágio está conectado ao outro, os primeiros influenciam os posteriores, sendo que os cinco primeiros estágios formam a identidade, e em todos os estágios existem conflitos para serem resolvidas, resoluções que influenciarão a vida futura.

“Eu sou o que posso imaginar que serei”

– Erik Erikson

 

O primeiro estágio – confiança/desconfiança (0 – 18 meses)

A idade em que a criança adquire confiança em si mesmo e no mundo ao redor, através da relação com a mãe. Se a mãe atende as necessidades do filho, a confiança está construída. Se não, medo, receio e desconfiança podem ser desenvolvidos pela criança. Virtude social desenvolvida: esperança.

 

O segundo estágio – autonomia/dúvida e vergonha (18 meses – 3 anos)

A contradição entre o que a criança quer fazer (impulso) e o que as normas permitem. A criança deve ser estimulada a fazer as coisas de forma autônoma, para não se sentirem envergonhadas. Os pais devem ajudar os filhos para terem vontade de fazer as coisas corretamente. Virtude social desenvolvida: desejo.

 

O terceiro estágio – iniciativa/culpa (3 anos- 6 anos)

Neste estágio a criança já tem a capacidade de distinguir as coisas que pode e as coisas que não pode fazer. Começando a tomar iniciativas, mas sem sentir culpa. A criança começa a assumir outros papéis, tendo noção de ‘outro’ e de individualidade, começando a se preocupar com a aceitação do seu comportamento. Virtude social desenvolvida: propósito.

 

O quarto estágio – indústria (produtividade) / inferioridade (6 anos- 12 anos)

A criança começa a se sentir como uma pessoa trabalhadora, capaz de produzir. A resolução positiva dos estágios anteriores é importantíssima, sem confiança, autonomia e iniciativa, não conseguirá se sentir capaz. O sentimento de inferioridade pode levar se sentir incapaz. Este é o momento de relações interpessoais importantes. Virtude social desenvolvida: competência.

 

O quinto estágio – identidade/confusão de identidade (adolescência)

Aqui se adquire a identidade psicossocial, o adolescente precisa entender seu papel no mundo e reconhecer sua singularidade. Há uma redefinição nos elementos de identidade já adquiridos. Algumas dificuldades desse período são: falta de apoio no crescimento, expectativas parentais e sociais diferentes, dificuldades em lidar com as mudanças, etc. Virtude social desenvolvida: fidelidade.

 

O sexto estágio – intimidade/isolamento (25 anos – 40 anos)

É essencial estabelecer uma relação íntima durável com outras pessoas, caso não consiga estabelecer essa relação se sentirá isolado. Virtude sócia desenvolvida: amor.

 

O sétimo estágio – generatividade/estagnação (35 anos – 60 anos)

A necessidade de orientar a geração seguinte, uma fase de afirmação pessoal no trabalho e na família. Podendo ser produtivo em várias áreas. Existe a preocupação com as gerações futuras, educando e criando os filhos. O lado negativo é que pode levar a pessoa a parar em seus compromissos sociais. Virtude social desenvolvida: cuidar do outro.

 

O oitavo estágio – integridade/desespero (após os 60 anos)

É a hora da avaliação de tudo que se fez na vida, em caso de uma negação em relação ao passado, se sente fracassado pela falta de poderes físicos e cognitivos. O desespero para pessoas que acham o balanço de sua vida negativa e integridade para pessoas que sentem o balaço de sua vida positiva. Virtude social desenvolvida: sabedoria.

 

“Ainda que envelheçamos muito, em nosso íntimo sentimo-nos exatamente os mesmos que éramos na juventude, ou melhor, na infância. Isso que permanece inalterado, sempre igual e que não envelhece com o passar do tempo é o cerne de nossa essência, que não reside no tempo e, justamente por essa razão, é indestrutível.”

– Arthur Schopenhauer, em “A arte de envelhecer”.

Conheça os segredos para uma vida saudável! Clique aqui.

Fonte: Revista Prosa Verso e arte

Adeus caixões! Cápsula orgânica transforma pessoas falecidas em árvores

A ideia do “ciclo da vida” agrada muitas pessoas independentemente da fé. Em poucas palavras, é vida se transformando em vida — a morte fica em segundo plano.

O projeto italiano The Capsula Mundi é uma representação perfeita desse conceito.

Desenvolvido pelos designers Anna Citelli e Raoul Bretzel, o projeto consiste em uma cápsula orgânica e biodegradável que é capaz de transformar um corpo em decomposição em nutrientes para uma árvore.

Primeiro, o corpo do falecido é colocado dentro da cápsula e então enterrado. Depois é plantado uma árvore ou uma semente por cima para aproveitar a matéria orgânica.

O projeto veio da ideia de criar uma alternativa ecologicamente sustentável para caixões

Cada cliente pode escolher sua árvore favorita

É a transformação do cemitério…

… em uma floresta de memórias!

Isso sem derrubar árvores para produzir caixões…

… mas plantando vários tipos para gerar mais vida.

O projeto é ousado e mexe em tradições seculares, por isso ainda não foi colocado em prática. A Itália tem leis restritas sobre enterros.

Eu achei a solução incrível. Transformar cemitérios em lugares cheios de árvores (vida) é uma excelente maneira de resgatar boas lembranças das pessoas que se foram.

O que você acha de ser enterrado e dar vida a uma árvore?

Conheça os segredos para uma vida saudável! Clique aqui.

Fontes:  Awebic; Capsulamundi.it

 

Ora-Pro-Nobis – Tudo o que você precisa saber

O Superalimento Proteico

 

Algumas pessoas poderão ter em suas casas uma planta chamada Ora-pro-nobis, bastante utilizada como cerca viva, devido aos seus espinhos pontiagudos, mas extremamente bela, que carrega o ambiente com suas flores. O que muita gente talvez não saiba é que a Ora-pro-nobis, além de tudo, também é comestível, sendo utilizada na região de Minas Gerais como alimento, rica em proteínas, bastante conhecida por lá como o “bife dos pobres”.

Propriedades da Ora-pro-nobis

Suas propriedades já são bastante conhecidas, principalmente pelas pessoas que vivem nas zonas rurais, e a cultivam em seu quintal como remédio e alimento. Foi a partir desse conhecimento popular que a Ora-pro-nobis passou a chegar às grandes cidades, ainda de forma bastante tímida, mas já é um bom começo.

 

Por ser bastante popular em Minas Gerais, a Universidade de Lavras realizou um estudo sobre suas propriedades, constatando que seus princípios ativos são eficientes para o tratamento de várias doenças, tanto de origem inflamatória, quanto gastrointestinais, circulatórias, etc.

 

Benefícios da Ora-pro-nobis

Seu alto teor de fibras ajuda no processo digestivo e intestinal, promovendo saciedade, facilitando o fluxo alimentar pelo interior das paredes intestinais, além de ajudar a recompor toda a flora intestinal. Isso evita os estados de constipação, prisão de ventre, formação de pólipos, hemorróidas e até tumores;

Pessoas com anemia deverão passar a utilizá-la com mais frequência, pois os índices de ferro são essenciais para o tratamento desse quadro;

O chá, feito a partir de suas folhas, tem excelente função depurativa, sendo indicado para processos inflamatórios, como cistite e úlceras;

Esse poder depurativo associado ao chá também está ligado ao tratamento e prevenção de varizes;

As grávidas deveriam consumir Ora-pro-nobis nesse período, pois ela é rica em ácido fólico, essencial para evitar problemas para o bebê;

A alta concentração de vitamina C ajudará a fortalecer o sistema imunológico, evitando uma série de doenças oportunistas;

Ótima para a pele, devido à presença de vitamina A (retinol) em grande quantidade;

O retinol também é fundamental para manter a integridade da visão em dia;

Mantém ossos e dentes fortalecidos, pela boa quantidade de cálcio.

 

COMPOSIÇÃO QUÍMICA EM 100 GRAMAS DE FOLHAS:
Energia   26 kcal
Proteína   2,00 g
Lipídios   0,40 g
Carboidratos   5,00 g
Fibras   0,90 g
Cálcio   79,00 mg
Fósforo   32,00 mg
Ferro   3,60 mg
Retinol   250,00 mcg
Vitamina B1   0,02 mg
Vitamina B2   0,10 mg
Niacina   0,50 mg
Vitamina C   23,00 mg


É uma planta com alto teor de proteína (aproximadamente 25% de sua composição). Entre seus aminoácidos, teremos a lisina e o triptofano em maior quantidade. Seu elevado teor de vitamina C supera a laranja em 4 vezes. Além dos minerais e vitaminas, também é rica em fibras.

 

Como consumir Ora-pro-nobis?

A parte comestível da planta são suas folhas. Seu preparo é extremamente simples, como qualquer verdura que adquirimos. Obviamente, devemos lavá-las bem. É preciso que se utilize uma grande quantidade, pois, após o preparo, seu volume se reduz bastante.

 

Seu sabor é neutro, ou seja, não é picante, nem ácido, nem amargo. Tem uma textura macia, fácil de mastigar. Ela poderá fazer parte de recheios, saladas, refogados, sopas, e onde mais sua imaginação de culinarista permitir.

 

Como preparar Ora-pro-nobis?

Para servir como incentivo, e mesmo matar a curiosidade, vamos passar algumas receitas simples com Ora-pro-nobis. É extremamente simples o preparo e manuseio das folhas.

  1. Batatas ao pesto de Ora-pro-nobis

Ingredientes:

½ quilo de batata bolinha, ou algum outro tipo, mas que sejam pequenas;

1 xícara de folhas de Ora-pro-nobis rasgadas com as mãos;

½ xícara de queijo meia cura ralado;

1/3 de xícara de castanha do Pará;

½ xícara de azeite de oliva extra virgem;

½ dente de alho;

Sal e pimenta.

Faça primeiramente o pesto, batendo todos os ingredientes no liquidificador, com exceção das batatas. Caso tenha um processador, tecle na função pulsar, pois você não quer que vire um suco. É importante sentir a textura dos alimentos presentes no molho pesto. Reserve.

 

Cozinhe as batatas, mas deixe-as firmes. Coloque-as numa fôrma e regue com um fio de azeite e salpique sal e pimenta. Leve-as ao forno médio, pré-aquecido, até que estejam coradas.

 

Assim que retirar as batatas do forno, despeje o molho pesto sobre elas, e sirva imediatamente.

  1. Pão vegetariano de Ora-pro-nobis

Ingredientes:

 

50 gramas de fermento para pão, aproximadamente 3 tabletes;

½ copo de água morna;

½ copo de água fria;

2 colheres de sopa de manteiga ou margarina;

2 ovos;

1 colher de sopa de açúcar;

1 colher de sobremesa rasa de sal;

Farinha de trigo até dar o ponto (que poderá ser substituída por farinha integral);

100 gramas de folhas de ora-pro-nobis

Preparo:

 

O fermento deverá ser dissolvido juntamente com o açúcar, até formar uma pastinha. A seguir, adicione a água morna, mas tenha cuidado para que não esteja quente, pois fará com que o fermento não se desenvolva. Faça um teste no dorso da mão.

 

Aguarde alguns minutos e verá que a fermentação se inicia, levantando pequenas bolhas. Essa etapa é importante para saber se o fermento está bom. Caso isso não aconteça, descarte e reinicie.

 

A seguir, junte os ovos, a manteiga e o sal. Deixe aguardando enquanto bate as folhas de Ora-pro-nobis com a água fria no liquidificador.

 

Agora, junte à massa. Deixe a farinha para o final, onde deverá ser adicionada aos poucos, até começar a soltar das mãos.

 

Nesse momento, cubra com um guardanapo e deixe essa massa descansar até notar que dobrou de volume.

  1. Farinha enriquecida com Ora-pro-nobis

Essa farinha irá enriquecer suas receitas. É feita a partir das folhas desidratadas. Para isso, será preciso colher muitas folhas. Deixá-las em local seco e fresco, até que estejam totalmente desidratadas. Nesse momento, basta triturá-las ou e adicioná-las a seus pratos culinários. Essa farinha é rica em proteínas, aminoácidos, vitaminas, sais minerais, e fibras. Guarde num vidro com tampa e utilize nos pães, bolos, tortas, panquecas, etc.

 

Ora-pro-nobis ajuda a emagrecer?

A princípio, sim. Um dos fatores favoráveis ao emagrecimento está diretamente ligado à grande quantidade de fibras que a planta apresenta. Numa dieta equilibrada, as fibras são essenciais para dar a sensação de saciedade, o que nos faz comer menos nas refeições.

 

Além do mais, elas ajudarão no esvaziamento intestinal mais rápido, evitando que toxinas estejam circulando por nosso organismo, nos livrando de inchaços e retenção de líquidos. Se essas fibras forem ingeridas cruas, mais eficientes serão.

 

É claro que não basta comer Ora-pro-nobis. Ela é uma aliada entre uma série de outros que precisamos para nos manter magros.

 

Contraindicações

Até onde se sabe, não há contraindicações ao seu consumo, a não ser por pessoas que apresentem algum tipo de alergia a ela, porém, seus índices de toxicidade são praticamente nulos.

 

Onde encontrar?

Nos estados do Sudeste é mais fácil, por ser mais abundante nessa região. Em Minas Gerais, é facilmente encontrada, fresca, desidratada, em saquinhos. Costumam vender um saquinho com 200 gramas por algo em torno de R$ 1,00.

Conheça os segredos para uma vida saudável! Clique aqui.

Fonte: Mundo Boa Forma

O envelhecimento se combate dançando, garante a ciência

Por Pensar Contemporâneo

Várias investigações mostraram os benefícios da atividade física para combater a deterioração cognitiva associada à idade, mas agora aprendeu-se que é preferível dançar. Como se mover ao ritmo da música luta contra a doença de Alzheimer

 

A passagem do tempo é inevitável. Quase como as conseqüências físicas e mentais que isso traz às pessoas. O que é possível é evitar uma deterioração maior que o esperado das habilidades cognitivas.

 

Com esse objetivo em mente, cientistas do Centro Alemão de Doenças Neurodegenerativas e outras instituições alemãs empreenderam um trabalho que os levou a mostrar que os idosos que se exercitam regularmente podem reverter os sinais de envelhecimento no cérebro. E concluíram que entre todos os tipos de exercício, a dança é a que tem o mais profundo efeito benéfico.

O exercício tem o efeito de abrandar ou mesmo contrariar a deterioração relacionada com a idade na capacidade mental e física

 

“O exercício tem o efeito de desacelerar ou mesmo contrabalançar a deterioração relacionada à idade nas habilidades físicas e mentais.” Neste estudo, é mostrado que dois tipos diferentes de exercícios físicos (dança e treinamento de resistência) aumentam a área de cérebro que diminui com a idade e melhora o equilíbrio “, explicou Kathrin Rehfeld, chefe do trabalho.

 

Os pesquisadores contaram para sua pesquisa com dois grupos de idosos. Foram separados em dois grupos: em um deles, o grupo de dança, composto por 14 pessoas entre 67 e 71 anos e, em outro, 12 pessoas, entre 68 e 71 anos, que praticavam exercícios físicos. Os mais velhos começaram um curso semanal que durou 18 meses aprendendo rotinas de dança ou treinamento de resistência e flexibilidade.

 

Embora pesquisas anteriores tenham mostrado que o exercício físico em geral pode combater a deterioração cognitiva associada à idade, não se sabia se um tipo de exercício em particular poderia ser melhor que outro a esse respeito.

Não se sabia que tipo de exercício físico poderia combater melhor o declínio cognitivo.

 

Durante o trabalho, ambos os grupos mostraram um aumento no volume na região hipocampal do cérebro. Isto é importante, uma vez que esta área é propensa à deterioração do cérebro relacionada à idade (e desempenha um papel fundamental na memória e na aprendizagem, bem como na manutenção do equilíbrio) e é afetada por doenças como a doença de Alzheimer.

 

A fim de aprofundar este aspecto, os pesquisadores distribuíram diferentes rotinas de exercícios para os voluntários de acordo com o grupo: o treinamento físico tradicional era composto de exercícios repetitivos (como o ciclismo), e o grupo de dança, ao contrário, enfrentava para um novo desafio de dança toda semana.

 

“Tratamos de proporcionar às pessoas mais velhas do grupo de dança, rotinas que estavam constantemente mudando de gênero (tango, dança latina …). Desta forma, os passos, os padrões dos braços, a velocidade e os ritmos mudavam a cada semana para mantê-los Como um processo de aprendizagem constante “, esclareceu Rehfeld,” o aspecto mais difícil para eles era lembrar as rotinas sob a pressão do tempo e sem qualquer pista do instrutor. ”

 

Segundo os pesquisadores, esse desafio adicional no grupo de dança explicaria a diferença perceptível entre o equilíbrio desse grupo e os do grupo controle com exercícios tradicionais e a melhora dos sintomas de deterioração cognitiva associados à idade.

 

Ele concluiu: “A atividade física é um dos fatores do estilo de vida que pode contribuir para uma vida saudável pelo maior tempo possível, contrabalançar vários fatores de risco e diminuir o declínio relacionado à idade. novos desafios para o corpo e mente, especialmente na velhice “.

Cansado de ter dor nas costas? Clique aqui.

Fonte: Via infobae

“Envelhecer é uma loucura, não é para maricas” – Rita Lee

Por Revista Prosa Verso e Arte

“Sei que ainda há quem me veja malucona, doidona, porra-louca, maconheira, droguística, alcoólatra e lisérgica, entre outras virtudes. Confesso que vivi essas e outras tantas, mas não faço a ex-vedete-neo-religiosa, apenas encontrei um barato ainda maior: a mutante virou meditante. Se um belo dia você me encontrar pelo caminho, não me venha cobrar que eu seja o que você imagina que eu deveria continuar sendo. Se o passado me crucifica, o futuro já me dará beijinhos. […] Enquanto isso, sigo sendo uma septuagenária bem vivida, bemexperimentada, bemamada, careta, feliz e… bonitinha. Lucky, lucky me free again*. Tempo para curtir minha casa no mato, para pintar, cuidar da horta, paparicar meus filhos, acompanhar minha neta crescer, lamber meus bichinhos, brincar de dona de casa, escrever historinhas, deixar os cabelos brancos, assistir novela, reler livros de crimes que já esqueci quem eram os culpados, ler biografias de celebridades com mais de setenta anos, descolar adoção para bichos abandonados, acompanhar a política planetária, faxinar gavetas, aprender a cozinhar, namorar Roberto e, se ainda me sobrar um tempinho, compor umas musiquinhas.”

– Rita Lee, no livro “Rita Lee – Uma autobiografia“. São Paulo: Globo Livros, 2016.

*Trecho da canção “Free again”, de Barbra Streisand. Em tradução livre, “Sorte, sorte minha, estou livre novamente”.

Durante o lançamento da sua aguardada autobiografia, Rita Lee, nossa roqueira maior, posa com exclusividade para a revista QUEM aqui reproduzida, afirma que o essencial da vida é amar os bichinhos e colher a própria comida.

– por Guilherme Samora (texto e fotos)

 

Os números são astronômicos: maior vendedora de discos do Brasil, mulher que tem a maior quantidade de hits nas paradas do país e campeã de músicas em aberturas de novelas. Os sucessos – dezenas – embalaram e continuam a embalar diferentes gerações. Os discos são vendidos no Brasil e fora dele. Mas, aos 68 anos, vivíssima e cheia de graça, Rita Lee considera:“O maior luxo da vida é dar amor aos bichos e ter uma horta”.

 

E continua: “Quanto mais simples, melhor. Fazer economia é chique e ecológico. Nessa visão, poder comer da própria horta é um luxo. Eu não quero ter uma Ferrari e ficar me exibindo em rua esburacada. Eu não tenho deslumbre. Não vou me entupir de coisas materiais sem sentido, mansões genéricas…Eu gosto de ficar bem na minha, com meus bichos, que são entidades com as quais divido minha vida. Eu fico comovida quando eu lido com eles, quando os trato, quando trocamos figurinha telepaticamente. É um luxo! Vivo cercada de bichos por carência do divino. E eles são o divino”.

 

A melhor terapia

Avessa a badalações e curtindo os bichos e a família, a vida da grande artista – cujo nome já está gravado entre os maiores da música mundial – se torna naturalmente alvo de curiosidade. Aposentada dos palcos – mas não da música –, Rita compõe, grava quando quer no estúdio que tem em casa, e, nos últimos tempos, dedicou-se a escrever sua autobiografia, que está sendo lançada pela Globo Livros. “Ao escrever o livro, achei que falar dos traumas da vida seria muito mais pesado do que foi. Senti que foi bom: percebi que nada era tão ruim quanto eu achava. Esses assuntos ficavam como uma nuvem na minha cabeça, em cantos meio escuros, sem que eu pensasse muito neles. Colocar no papel foi a melhor terapia que fiz na vida. Me fez um bem danado. Escrevi e me libertei. Aliás, escrever a bio foi como se eu estivesse me olhando de fora. Sabe quando dizem que antes da morte passa aquele filminho da nossa vida toda? Foi assim que aconteceu, vi o filminho. Mas com a diferença de que estou viva”, descreve, nessa raríssima entrevista cara a cara.

 

Bem viva, cheia de saúde (“Às vezes a coluna grita, mas não posso reclamar”) e linda com seus cabelos grisalhos, ela está em paz. “Estou gostando muito desta Rita de hoje. Ela é a mais familiar para mim. Sinto que sempre fui essa daqui e representei as outras. Gostei de várias delas, não gostei de outras. E, se eu quiser, às vezes puxo arquivos das outras: posso voltar à criança, à grávida… Mas sinto que essa sou eu, com meu cabelo branco, minhas rugas, de bem com tudo o que vivi e continuo vivendo”.

 

Nasce uma grande escritora

Rita não precisa mais provar nada. Sua música permanece atual, relevante. Tanto que, nas ruas, seu público vai de crianças a senhoras e senhores. Com um grande apelo entre jovens e adolescentes. Uns param a artista para dizer que se consideram as ovelhas negras da família, outros têm “Mania de Você” como trilha sonora de uma paixão, alguns se identificam com a rebeldia de “Orra Meu”, existem os que se sentem protegidos ao ouvir “Reza”. “Eu dou muito valor para isso. Aquela música, que era uma coisa minha, torna-se algo legal para outra pessoa, que me conta que fez bem para ela. Fico achando que é para isso que fiz música.”

 

Além das glórias nas paradas, nossa roqueira maior passeou com muito sucesso por novelas, filmes, apresentou programas de TV, fez rádio, teatro, musicais, pintou quadros… A biografia de Rita é pra lá de saborosa e ela nos revela mais uma faceta: a de grande escritora. A infância, passando pelo início da carreira, a prisão em 1976, o encontro de almas com o marido, Roberto de Carvalho, com quem pariu clássicos e três filhos, Beto, João e Antonio – tudo é documentado de maneira honesta. E com detalhes históricos que emocionam. É daqueles livros que não se consegue parar de ler.

 

“Não tenho deslumbre. Não vou me entupir de coisas materiais sem sentido”

Rita Lee – uma autobiografia (capa)

Nas páginas, Rita trata também da paixão por um tema que cercou sua vida desde pequena: os extraterrestres. E se ela avistasse um disco voador e ainda pudesse pedir para viajar para qualquer tempo? “Se um disco voador aparecesse na minha frente eu entraria direto! Meu sonho! Depois, se eles me oferecessem essa gentileza de me levar para qualquer tempo ou lugar, pediria para dar uma volta no futuro. Queria espiar como serão meus bisnetos, os filhos de Izabella (filha de Beto). Ver também como ela estará, o que fez da vida dela. E depois daria um pulinho no passado, para visitar minha infância, meu pai e minha mãe. Se bem que com a bio foi isso que eu fiz: eu visitei o que já vivi. É impressionante como minha memória dessa época mais antiga é boa. Lembro de tudo, com os mínimos detalhes. Lembro com mais clareza dos meus 5 anos do que o que eu fiz ontem!”

 

E se nesse passeio encontrasse com a Rita dos 17 anos e pudesse dar um conselho a ela? Envelheça! Mas saiba que envelhecer é uma loucura! Envelhecer não é para maricas. Daria conselhos para ter mais cuidado com a postura, com a coluna! E também diria: experimente todas as coisas que quiser, mas se proteja um pouco mais. Não precisa entrar tão de sola em tudo. Dá uma maneirada em uma coisa ou outra.Ah, e faça música: vai dar tudo certo.” E como deu, Rita! É um orgulho ter uma artista como você entre nós. Muito obrigado por existir e por dividir sua música e sua vida com a gente.

Rita Lee – uma autoentrevista

Sempre espirituosa, a cantora e escritora topou um desafio proposto por QUEM: já que está lançando sua autobiografia, que ela fizesse uma autoentrevista. O resultado vem a seguir

 

Rita Lee: Você sempre disse que só depois de morta uma biografia sua ficaria completa. O que a fez mudar de ideia?

Rita Lee: Minha vida como “artista performática” morreu, a biografia que escrevi é sobre aquela pessoa que um dia fui.

 

Falando em vida, você acredita em Deus?

Desse deus à imagem e semelhança dos humanos sou atéia… Entendo o Divino através dos animais, das plantas e das pedras. Sou meditante e pratico a iconofilia colecionando imagens de santinhos e divindades de todas as religiões. E luxo para mim não é ter uma Ferrari, é comer da minha própria horta.

 

Tem saudade do palco?

Nenhuma: 50 anos chacoalhando o esqueleto foi a conta certa.

 

O que acha do panorama da música do Brasil de hoje?

Aquele meu velho refrão continua atualíssimo: “Ai, ai meu Deus, o que foi que aconteceu com a Música Popular Brasileira? Todos falam sério, todos eles levam a sério, mas esse sério me parece brincadeira!”.

 

Como você encara a passagem do tempo?

Envelhecer não é para maricas. Dizer que a idade está na cabeça é debochar da minha coluna vertebral. Nada contra quem apela a botoxes e plásticas, mas eu “garrei” carinho nas minhas rugas, pelancas e cabelos brancos, essa é a minha old new face.

 

A notícia de que você vai ingressar na vida política procede?

(Rita Lee boceja e já ia declarar a entrevista por encerrada quando vem a pergunta que não quer calar.)

 

Rita, você vai voltar para os Mutantes?

Zzzzzz…

 

Texto e fotos: Guilherme Samora

Conheça os segredos para uma vida saudável! Clique aqui.

Fonte: Revista Quem

8 Maneiras de usar babosa que podem facilitar sua vida

A babosa (ou aloe vera) é conhecida por suas propriedades curativas há milhares de anos. Consiste em aproximadamente 99% de água e o restante são substâncias curativas. A maioria de nós já ouviu falar que é muito eficaz para queimaduras solares, mas a babosa tem tantas outras propriedades benéficas, que certamente pode ser chamada de uma super planta. Os pesquisadores acreditam que essa planta era um dos segredos de beleza favoritos da Cleópatra.

 

 

  • Curar cortes e feridas

 

A babosa é conhecida há séculos como um ótimo remédio para diferentes tipos de danos à pele. Ela estimula o crescimento de novas células e tecidos da pele, além de acelerar a regeneração dos tecidos. Você deve usá-la assim:

 

Corte a folha ao meio e longitudinalmente

Coloque o lado com gel no corte.

 

 

  • Curar as queimaduras

 

A babosa tem sido usada há muito tempo para tratar pequenas queimaduras. Ela possui um efeito refrescante como o mentol, reduz a inflamação e ativa a regeneração dos tecidos e da pele. Você deve usá-la assim:

 

Remova todos os espinhos da folha

Corte as folhas longitudinalmente

Retire o gel claro com uma faca

Aplique o gel diretamente na queimadura.

 

  1. Alivia picadas de insetos

 

As picadas incomodam por causa da saliva dos insetos que pode conter diferentes toxinas e alérgenos que produzem coceira, inchaço ou irritação em diferentes graus. A babosa proporciona um efeito refrescante, alivia a dor e a coceira e reduz a inflamação. Você deve usá-la da seguinte forma:

 

Corte as folhas longitudinalmente

Aplique o gel claro sobre áreas afetadas

 

 

  • Esfoliante

 

 

A babosa ajudará sua pele a parecer nova se usá-la como esfoliante. O esfoliante remove as células mortas da pele e é tão suave que pode até ser usado em peles sensíveis. Hoje existem muitos esfoliantes com babosa disponíveis nas lojas, mas você pode fazer seu próprio produto, se tiver a planta. Há muitas receitas e esta é apenas uma delas!

 

2 colheres de sopa de gel de babosa

2 colheres de sopa de açúcar mascavo

1 colher de chá de suco de limão

Misture e aplique na sua pele

Em seguida, lave o rosto

 

 

  • Previne espinhas e elimina a acne

 

A babosa também é conhecida por suas propriedades curativas das células da pele e por suas propriedades antifúngicas e antibacterianas, que a tornam muito eficaz na prevenção de espinhas e no tratamento de acne e rosácea. Além disso, graças às suas propriedades curativas, ajuda a tratar quaisquer manchas, cicatrizes de acne na pele danificada. Você deve usá-la da seguinte maneira:

 

Corte as folhas longitudinalmente

Aplique o gel claro sobre a área afetada

 

 

 

  • Hidratante para a pele

 

A babosa é um excelente hidratante natural: é especialmente bom para a pele seca ou sensível, porque é absorvida muito rapidamente e hidrata sem entupir os poros, ao contrário de muitos outros cosméticos hidratantes comprados nas lojas. Você pode usá-la desta forma:

 

Corte as folhas longitudinalmente

Preencha duas colheres de chá com gel transparente

Misture com duas ou três colheres de chá de óleo de coco

 

 

  • Esfoliante corporal

 

A babosa tem propriedades antibacterianas e anti-inflamatórias muito poderosas, que a tornam um esfoliante corporal muito eficaz e suave. A babosa e a vitamina E são excelentes para tratar das células da pele e os óleos essenciais deixam a pele macia e sedosa. Você pode usá-la assim como um esfoliante corporal:

 

Corte as folhas longitudinalmente

Pegue o gel claro com uma faca; você precisará de aproximadamente 1/4 de xícara

Misture 3/4 de xícara de sabonete líquido

Adicione uma colher de chá de vitamina E

Adicione algumas gotas de óleo essencial, como lavanda, gerânio, capim-limão ou camomila. Todos esses óleos são muito benéficos para a pele

 

 

  • Tratamento capilar

 

A babosa é muito eficaz para ajudar no tratamento contra a queda de cabelo. Ela contém enzimas que auxiliam na reparação as células mortas da pele do couro cabeludo e estimulam o crescimento de novos fios. Eis a melhor maneira de usar:

 

Corte as folhas longitudinalmente

Preencha duas colheres de chá com gel transparente

Misture duas a três colheres de chá de óleo de coco

Adicione uma a duas colheres de chá de mel

Aplique no couro cabeludo e nos fios e deixe agir por 40 minutos

Enxague o cabelo como de costume.

Conheça os segredos para uma vida saudável! Clique aqui.

Fonte: Incrível

Consumo de fermentados traz benefícios ao intestino e ao cérebro

Os fermentados possuem probióticos capazes de restaurar a flora intestinal, trazendo benefícios para a imunidade, digestão, liberação de hormônios e até para o funcionamento do cérebro.

O kefir é rico em microorganismos que ajudam no funcionamento da flora intestinal (Foto: Shutterstock)

 

Kefir, kombucha e outros alimentos fermentados parecem ser a bola da vez, quando se fala de saúde e dieta. Eles estão ficando cada vez mais populares por ajudarem da digestão, diminuindo sintomas como inchaço e mal estar após refeições.

 

Apesar de estarem na moda, esse tipo de alimento é obtido a partir de uma técnica milenar, que faz com que o produto se torne rico em probióticos, essenciais para a flora intestinal. A fermentação acontece quando as comidas são deixadas em repouso, até que os açúcares e carboidratos se tornem agentes promotores de bactérias saudáveis ao nosso organismo. Isso já fazia parte da dieta de nosso ancestrais, e agora ganha um ressurgimento após uma série de pesquisas comprovarem seus poderes na imunidade, digestão, proteção e até saúde emocional.

 

A fermentação e seus benefícios

 

Segundo um artigo publicado pelo periódico acadêmico Current Opinion on Biotechnology, em 2017, a “fermentação pode ser vista como um método biológico de preservação de alimentos. A comida produzida desta maneira tem um risco reduzido de contaminação, quando enriquecida em produtos finais antimicrobianos, como ácidos orgânicos, etanol e bacteriocinas”.

 

Dessa forma, novos sabores e texturas são gerados com a fermentação. Além disso, consumo faz com que a microbiota intestinal receba novos microorganismos que facilitam a absorção de nutrientes e combatem os processos inflamatórios.

 

Os benefícios também são significativos para o cérebro. Um estudo realizado por cientistas da Escola Médica de Harvard e o Hospital Geral de Massachussets aponta que esse tipo de comida pode ajudar no funcionamento do cerebral, em virtude da ação microbiana que foi aplicada ao alimento ou bebida. A partir dessas substâncias vivas, há um controle maior do nosso índice glicêmico, produção de bioativos importantes na comunicação do cérebro com o resto do corpo.

 

A empresa alemã de delivery de produtos frescos, Hello Fresh, acredita que, ao ingerir esses fermentados, estamos repondo as bactérias intestinais, que foram destruídas pelo consumo constante de alimentos industrializados. Além disso, a alta ingestão de remédios, como os antibióticos, causa danos no nosso aparelho digestivo, que vão além dos dias em que a pessoa ingeriu os comprimidos. Dessa forma, o consumo de fermentados tem como objetivo reorganizar os seres vivos que habitam em nós.

 

Ao chegarem no órgão, as bactérias e os ácidos estomacais liberam enzimas que ajudam na digestão, facilitando o processo de eliminação de toxinas, extração e absorção de nutrientes, proteção contra infecções, redução do inchaço e emissão de hormônios, que atuam em diferentes campos, como as emoções.

 

Kombucha

Mas, nem tudo são flores

 

Os microrganismos que “nascem” dentro dos alimentos diferem entre si. Por exemplo, ainda segundo o estudo citado acima, alguns fungos encontrados em legumes e vegetais em conserva (os famosos picles) podem aumentar a produção de compostos nitrosos, com propriedades carcinogênicas, que podem estimular o desenvolvimento do câncer.

 

Com as carnes e peixes a situação pode pender para os dois lados. Compostos como agmatina e poliaminas (derivados de aminácidos) presentes nas versões fermentadas podem trazer benefícios ao cérebro quando consumidas em uma quantidade equilibrada. Porém, o excesso pode causar desrregulagens no organismo.

 

Como introduzir fermentados na dieta

 

Você não precisa sair comprando todos os kombuchas que vê pela frente, porém eles são bebidas que podem acompanhar um almoço ou servir de lanche da tarde. Já o kefir pode ser incluído na ceia, antes de dormir, acompanhado de frutas como mirtilo e morango, que têm poderes antioxidantes. O vinho também faz parte da lista de fermentados que podem trazer benefícios, mas não ultrapasse de uma taça por dia.

 

Enquanto isso, o tempeh, produto da soja fermentada, pode ser consumido como proteína vegetal. O preparo mais comum é o grelhado. Caso esteja com dificuldade de encontrá-lo, procure em mercados orientais, uma vez que é um tipo de alimento muito comum na Ásia.

 

Lembrando que não é necessário ingerir fermentados em todas as refeições. Para quantidades mais específicas, o ideal é consultar um nutricionista.

Conheça os segredos para uma vida saudável! Clique aqui.

Fonte: Casa & Jardim

Faça prancha todos os dias

3 tipos de prancha abdominal e seus benefícios para o corpo

 

A prancha abdominal é um dos exercícios físicos mais utilizados para fortalecer o “core”, ou o conjunto de músculos responsáveis pelo nosso equilíbrio. Como essa musculatura também ajuda na adequação postural do tronco durante qualquer movimento, é importante fortalecê-la para diminuir o risco de lesões.

Além disso, explica o professor de educação física Cláudio Castilho Baiano ao Fortíssima, trabalhar essa região ajuda a melhorar a performance durante os exercícios físicos. “Isso porque os músculos estabilizadores da pelve e do quadril conseguem exigir mais do corpo quando essa parte é fortalecida”, diz.

 

De acordo com o educador físico, esse tipo de exercício fortalece, tonifica e define os músculos abdominais, das costas e dos ombros. “Isso faz com que a pessoa consiga executar melhor uma flexão na academia ou mesmo as atividades do dia a dia, como quando se movimenta ou carrega um peso extra”, afirma.

 

A prancha abdominal, segundo ele, apresenta uma série de variações que permitem à pessoa treinar os músculos em diferentes intensidades. “Por isso, é interessante variar o movimento fazendo prancha de forma frontal ou lateral, por exemplo”, ressalta.

 

Quem pode fazer?

Pessoas sedentárias e que estão começando (ou recomeçando) no mundo dos exercícios físicos podem fazer a prancha abdominal, mas é necessário ir com calma e intensificar o treino aos poucos. Comece, por exemplo, com os joelhos e cotovelos ao chão, e apenas quando se sentir mais forte e confiante tente se apoiar nos pés.

 

“É fundamental contar com a orientação de um profissional de educação física. Se o aluno tem algum problema de hérnia de disco ou dor no ombro, por exemplo, algumas pranchas precisarão ser modificadas”, diz Baian.

 

Como não forçar o corpo além do recomendado?

A prática depende do tempo, do estilo de vida e condicionamento do aluno. Em alguns casos é preciso melhorar postura.

É importante não fazer exercício cansado ou mal alimentado. Treinar pesado e fazer prancha depois também não é recomendado.

É interessante intercalar a prancha durante o treino.

Procure um profissional de educação física para avaliar e orientar sua atividade.

Veja três exemplos de prancha abdominal

 

1 – Prancha tradicional

Mesmo que faça as outras variações, mantenha a utilização da prancha tradicional em seu treino. Para essa versão, fique de barriga para baixo e se apoie nos cotovelos e nas pontas dos pés. Os ombros precisam ficar alinhados aos cotovelos, e o quadril não pode nem descer nem ficar alto demais, devendo se manter alinhado com o corpo. Segure o abdômen contraído por 30 segundos, pelo menos. Faça 3 repetições.

 

2 – Prancha lateral

De lado, pernas unidas e joelhos estendidos, apoie o cotovelo na direção do ombro. Coloque a mão livre na cintura. Feito isso, eleve o quadril lateralmente e mantenha a posição com o abdômen contraído por 30 segundos. Faça três séries.

 

3 – Prancha com elevação de quadris

Fique de barriga para baixo, com os braços alinhados aos ombros e mãos e ponta dos pés apoiados no chão. Suba o corpo, formando uma linha reta da cabeça aos tornozelos, e segure por 10 segundos. Jogue os quadris para cima (o corpo deve formar um V invertido), abaixe e repita por 60 a 90 segundos

Cansado de ter dor nas costas? Clique aqui.

Fonte: Fortíssima

Vendedor de coco cria canudo de bambu

A iniciativa evita o descarte de 8 mil canudinhos plásticos por mês. O produto artesanal ainda pode virar adubo após utilizado.

Com a proibição do uso de canudos de plástico em diversas cidades do Brasil, uma ideia inusitada e ecológica surgiu no centro de Belém, no Pará. Trabalhando com a venda de cocos na praça Batista Campos há quase 30 anos, Said Trindade criou novos canudos feitos de bambu. O produto é artesanal e ainda pode virar adubo após utilizado. A novidade aumentou em 60% as vendas na barraca, segundo o vendedor.

Segundo Said, o sucesso dos canudos veio pelas redes sociais. Ele conta que uma cliente gostou da ideia e fez uma postagem divulgando o produto. A repercussão foi rápida e deixou a barraca conhecida na praça. O sucesso foi tanto que as vendas cresceram mesmo em período de baixa temporada.

 

“Eu comecei a fazer os canudos em julho, mas ninguém tinha dado muita importância. Até que veio uma cliente aqui, gostou da ideia e postou nas redes sociais. No dia seguinte o canudo já era um sucesso. Em menos de seis horas, todos os canudos que eu tinha terminaram. Por conta disso, voltei pro interior e produzi mais canudos. Minhas vendas cresceram em 60% justo no período de chuvas aqui na região, quando eu vendo menos coco”, explica.

 

Said garante que o processo de fabricação dos canudos é simples. Após o corte do bambu, os canudos passam por um processo de higienização para eliminar possíveis bactérias. De acordo com o vendedor, isso tudo é feito em casa.

 

Ao contrário de outros canudos reutilizáveis como os de inox ou papel, o canudo de bambu deve retornar à natureza. Cada cliente ganha o canudo de presente, mas os que não são levados são transformados em adubo no sítio do vendedor, em Concórdia do Pará, nordeste do Estado.

 

Said diz que os canudos estão abrindo novas portas. Ele já recebeu um convite da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) para falar sobre a invenção. Além disso, o vendedor já está comercializando os canudos para outras barracas na praça.

 

O comerciante também tem noção de como sua iniciativa é importante para a preservação ambiental. O uso de canudos de bambu representa cerca de 8 mil canudinhos a menos no lixo em cada mês, somente na barraca de Said.

Cansado de ter dor nas costasl? Clique aqui.

Fonte: Primeira Página, com informações do site G1, Naturaltech